quarta-feira, 25 de abril de 2012

Aviso!



Eu amo-a, eu amo-a, eu amo-a, eu... Não sei se repetir a mesma ideia duzentas vezes me vai ajudar a tê-la nos meus braços. A sentir o seu corpo quente contra o meu. Dou uma volta na cama enquanto sinto uma inusitada demonstração de vigor no meu corpo. Sinto-me muito atraído por ela, quero vivê-la mais além dos meus sonhos, conhecer o sabor da língua dela, tocar o seu corpo. Vou voltar a enviar-lhe um sms. “Gostava que estivesses aqui”. Como imagino a sua cara de estupefacção e curiosidade para saber quem lhe envia estas carinhosas mensagens.

Toca brevemente o meu telemóvel. “Quem és?”, leio. Adoro este jogo de sedução em que parece que somos dois desconhecidos. Como gosto do mistério e da aventura de voltar a conquistar alguém. Respondo simplesmente: “Sou eu, estou a pensar em ti”. Para bom entendedor meia palavra basta. Recordo vivamente os olhos dela, também recordará os meus. Mando uma mensagem no impulso do momento: “Quero-te!”. Quase de imediato responde também. Eu, na ansiedade quero lê-la instantaneamente, mas ignoro durante alguns minutos, para aumentar a ansiedade, degustar a antecipação, sentir a emoção devorar-me bocadinho a bocadinho. Quase a rebentar, esbugalho os olhos no ecrã do telemóvel: “Pára de me enviar mensagens ou faço queixa à polícia. Último aviso, acredita.”

Sem comentários:

Enviar um comentário

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas 2.5 Portugal.